Categoria: Vida Íntima

Novembro Azul e a Importância do PSA

O câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens no Brasil. O diagnóstico precoce pode aumentar em 90% as chances de cura. Por isso, o objetivo do Novembro Azul é levar informação e reduzir os números de mortes por causa da doença. O que muitos não sabem é que um simples exame de sangue, conhecido como PSA, pode ser a salvação. Os médicos recomendam que o primeiro PSA seja feito aos 50 anos, para a maioria dos homens, e aos 45 para aqueles que têm histórico de câncer na família. No entanto, para um diagnóstico mais preciso, os médicos recomendam também o toque retal, visto que ele é, ainda, a melhor maneira de detectar precocemente o câncer de próstata.

A maioria dos homens sem câncer de próstata tem níveis de PSA inferiores a 4 nanogramas por mililitro (ng /mL) de sangue. A chance de um homem desenvolver câncer de próstata aumenta proporcionalmente com o aumento do nível do PSA. Geralmente, quando o câncer de próstata está presente o nível do PSA está acima de 4 ng/ml. Entretanto, um nível abaixo desse valor não significa que o câncer não esteja presente. Cerca de 15% dos homens com PSA abaixo de 4 ng/ml são diagnosticados com câncer de próstata na biópsia.

Os homens com níveis de PSA entre 4 ng/ml e 10 ng/ml, têm uma chance em 4 de ter a doença. Se o PSA se encontra acima de 10 ng/ml, a possibilidade de ter câncer de próstata é superior a 50%.

Se o nível do PSA de um paciente é elevado, o médico pode sugerir a repetição do exame após um determinado intervalo de tempo ou a realização de uma biópsia da próstata para fechar o diagnóstico. Nem todos os médicos concordam com o mesmo ponto de corte do PSA para sugerir uma biópsia, alguns sugerem a realização de biópsia se o PSA é ≥ 4, enquanto outros podem recomendá-la a partir de ≥ 2,5. Outros fatores, como idade, raça e histórico familiar do paciente, também são considerados.

Além disso, o PSA também pode ser útil após o diagnóstico do câncer de próstata:

Nos homens diagnosticados com câncer de próstata, o PSA pode ser usado em conjunto com os resultados do exame físico e do estadiamento da doença para decidir se são necessários outros exames, como tomografia computadorizada e cintilografia óssea.

O PSA é parte do estadiamento e ajuda a prever se a doença ainda está confinada à próstata. Se o nível do PSA é muito alto, a doença provavelmente está disseminada, o que influenciará na escolha das opções de tratamento. O exame PSA também é uma parte importante do monitoramento do câncer de próstata durante e após o tratamento.

Fonte: American Cancer Society

Ovário Policístico

A SOP, abreviação usada para a Síndrome dos Ovários Policísticos, é um distúrbio que interfere no processo normal de ovulação em virtude de desequilíbrio hormonal que leva à formação de cistos. O aparecimento de cistos durante o processo de ovulação faz parte do funcionamento dos ovários, mas eles desaparecem a cada ciclo menstrual. Em portadoras da Síndrome de Ovários Policísticos (SOP), esses cistos permanecem e modificam a estrutura ovariana, tornando o órgão até três vezes mais largo do que o tamanho normal. A disfunção pode levar à secreção de hormônios masculinos (androgênios) em excesso. A portadora da síndrome ovula com menor frequência e tem ciclos, em geral, irregulares. Calcula-se que a SOP afeta 20% das mulheres durante a fase de vida reprodutiva.

Ciclos irregulares, menor frequência de ovulação e dificuldade para engravidar podem ser características comuns da síndrome dos ovários policísticos. O distúrbio ainda favorece o desenvolvimento de doenças cardiovasculares, do diabetes tipo 2 e obesidade. Quando há excesso de hormônios masculinos, os sinais observados são:
● Crescimento anormal de pelos nas regiões do baixo ventre, seios, queixo e buço;
● Aumento da oleosidade da pele e aparecimento de espinhas e cravos;
● Queda de cabelos;
● Aumento do peso;
● Manchas na pele, principalmente nas axilas e atrás do pescoço.

Diagnóstico

Depende de avaliação completa, que exclua variáveis como problemas com a tireóide ou a glândula supra-renal. O exame de ultrassom, isolado, não é suficiente para fornecer o diagnóstico acertado da Síndrome. Para investigar as causas da irregularidade menstrual ou das manifestações androgênicas, os médicos costumam pedir os seguintes exames: Dosagem dos hormônios FSH, LH, Estradiol, TSH, S-DHE, Testosterona total, 17-OH progesterona (entre o 2º e 3º dias do ciclo menstrual); Curva de insulina associada à curva de glicemia.; Ultrassom pélvico. O médico pode, algumas vezes, conseguir diagnosticar a SOP através da história e do exame físico, porém existem diversos exames que auxiliam no diagnóstico da síndrome. Sinais e sintomas da SOP como surgimento de pelos em maior quantidade e com características e distribuição masculinas, acne, aumento da oleosidade da pele, irregularidade menstrual ou ausência de menstruação, dificuldade de engravidar entre outros podem sugerir o diagnóstico. O exame de sangue auxilia na verificação dos níveis de hormônios como estrogênio, folículo estimulante (FSH), luteinizante (LH), testosterona, tireoide e prolactina. A SOP pode contribuir para o surgimento de muitas doenças também como: diabetes, alterações do colesterol, aumento do peso e da pressão arterial podendo até causar câncer de útero se não for adequadamente tratada. Se você faz parte do grupo de risco da doença ou sente algum tipo de desconforto ginecológico, procure o seu médico para realizar os exames necessários. A síndrome dos ovários policísticos tem tratamento e, quanto antes ele for iniciado, menores são as chances de a doença causar danos graves.

Fonte: Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo.

Sífilis volta a ser uma Epidemia no Brasil

Transmitida pela bactéria treponema pallidum, a sífilis não escolhe idade, sexo ou classe social. A doença é transmitida principalmente por via sexual, mas gestantes podem passar para o bebê durante a gravidez. Apesar do diagnóstico e do tratamento serem rápidos, os casos da doença aumentaram em 5.000% nos últimos cinco anos.

Ler mais

Cólica Mestrual – Tudo o que você sempre quis saber!

A cólica, também conhecida por dismenorreia, é o sintoma mais comum que acompanha a menstruação. Juntamente à tensão pré-menstrual, é uma das principais queixas das mulheres. Há dois tipos de cólica: a primária, que existe desde a menarca (nome dado à primeira menstruação) juntamente com o início dos ciclos ovulatórios; e a secundária, que surge após um período sem dor. A cólica primária é de natureza desconhecida e inata ao organismo feminino. Já a cólica secundária pode ser provocada por doenças como inflamações pélvicas, endometriose e miomas. A cólica primária é de natureza desconhecida e inata ao organismo feminino. Já a cólica secundária pode ser provocada por doenças como inflamações pélvicas, endometriose e miomas. É comum vir acompanhada de: Enjoos; Diarreia; Vômitos; Cansaço; Dor de cabeça; Nervosismo; Vertigem e desmaios.

Ler mais

Infecção Urinária: Conheça o problema que atinge cerca de 40% das mulheres

A infecção urinária é um problema que, geralmente,  atinge as mulheres que estão em idade reprodutiva, menopausa e até as grávidas. Ela ocorre quando uma bactéria entra no sistema urinário por meio da uretra e começa a se multiplicar na bexiga. Normalmente, o corpo expulsa esses organismos estranhos. Às vezes, as defesas falham e a bactéria se manifesta no trato urinária iniciando a infecção. Cerca de 40% das mulheres têm pelo menos um episódio de cistite na  vida, uma vez que, diferente dos homens, suas uretras são mais curtas, com proximidade entre a vagina e o ânus.  

Ler mais