Categoria: Sem categoria (Página 1 de 2)

PSA e o Câncer de Próstata

No Brasil, o câncer de próstata é o segundo mais comum entre os homens. Recentemente, em um programa de rádio americano, o famoso ator Ben Stiller revelou que há 3 anos ele foi diagnosticado com câncer de próstata, usando o relato pessoal para incentivar outros homens a fazerem exames preventivos, já que a detecção precoce da doença pode ajudar no tratamento. O ator falou sobre o teste de sangue, feito para conferir os níveis de PSA (Antígeno Prostático Específico). “Eu queria falar sobre esse assunto por causa do exame, porque eu sinto que ele salvou minha vida. Se eu não tivesse feito o teste, que meu médico começou a me recomendar quando tinha 46 anos, eu realmente não sei…”, disse o ator.

Ben Stiller não foi afetado por sintomas da doença, nem tem histórico de câncer na família. Seu médico suspeitou do diagnóstico através da verificação de uma enzima denominada antígeno prostático específico (PSA), em um exame de sangue que ele fez como parte de um check-up anual. Depois de passar por mais testes, que confirmaram o quadro, e pedir a opinião de vários médicos, o ator foi submetido a uma cirurgia de remoção da próstata. Na entrevista, Stiller disse que hoje está livre do câncer, mas ainda é examinado regularmente.

Apesar de ter sido lançada na década de 80, a dosagem de PSA no sangue ainda é desconhecida de muitos homens. O PSA é uma substância produzida pelas células da próstata. Quando existe um aumento no número de células produtoras, como o que acontece no caso do câncer de próstata e da prostatite (inflamação da próstata), o PSA se eleva no sangue, servindo como indicador dessas doenças.

A taxa considerada comum pelos médicos é de quatro nanogramas por mililitro. Quando há um aumento do nível os médicos desconfiam de câncer e podem sugerir a repetição do exame e a realização de uma biópsia da próstata para confirmar o diagnóstico. A que a realização dos exames de rotina deve começar aos 40 anos para aqueles que têm registros de casos em parentes de primeiro grau, uma vez que o câncer hereditário pode aparecer mais cedo. Para aqueles sem registros, os exames podem ser feitos a partir dos 50 anos.

Fonte:​ ​ ​G1,​ ​em​ ​São​ ​Paulo.

Índice Glicêmico: como a glicose age no nosso organismo

Você já deve ter ouvido falar sobre a importância do nível glicêmico para o bom funcionamento do organismo. Pois então, a glicose, também chamada de açúcar do sangue, é a principal fonte de energia para o cérebro, os músculos e os tecidos, necessária para todas as funções do nosso corpo.

O pâncreas é o órgão responsável pela produção do hormônio denominado insulina, que é o responsável por permitir a entrada da glicose em nossas células. Quando o pâncreas está comprometido, há uma deficiência na produção de insulina; o que altera a captação da glicose pelas células e resulta no aumento da glicose no sangue.

Manter o nível normal da glicose (taxa de açúcar no sangue) igual ou menor que 99mg/dl é fundamental para preservar a saúde, pois níveis superiores indicam um risco maior de diabetes e de doenças cardiovasculares.

No dia a dia, é comum fazer escolhas mais práticas quando o assunto é a alimentação, mas isso tem um preço e é bem mais amplo do que parece. Por isso, é importante ficar atento ao controle do açúcar ingerido. Como assim? Adquirindo hábitos saudáveis, como por exemplo:

Aumentar a sua atividade física diária: ser ativo faz toda a diferença, evite ficar parado;

Vai a algum prédio? Prefira a escada ao elevador; Caminhe sempre que possível;

Procure se alimentar de 3 em 3 horas, assim você ingere menor quantidade de alimentos por vez;

Evite açúcares de adição: em chás, cafés e sucos; Evite refrigerantes e doces no geral;

Evite farinhas brancas;

Troque os tipos de carboidratos, prefira os integrais; Alimentos integrais convertem glicose mais lentamente e a energia fornecida ao longo do dia é melhor aproveitado. Além disso, eliminam a gordura corporal e não geram dependência.

Se um paciente tem pré-diabetes, caracterizado por níveis de glicemia em jejum ou na curva glicêmica acima do normal mais abaixo dos definidos para diabetes, o médico pedirá exames periódicos para acompanhar o estado do paciente. Para diabéticos conhecidos, o médico pede os níveis de glicemia e outros exames, como hemoglobina glicada para monitorar o controle da glicose durante algum tempo. Às vezes, a glicemia pode ser pedida com insulina e peptídeo C, para monitorar a produção de insulina.

Diabéticos devem auto examinar sua glicemia, uma ou várias vezes por dia, para selecionar as opções de tratamento prescritas pelo médico. Já gestantes em geral são triadas para diabetes gestacional no final da gravidez, a não ser que tenham sintomas precoces ou tenham apresentado diabetes gestacional antes. Quando a gestante tem diabetes gestacional, o médico pede dosagens de glicose durante o resto da gravidez e após o parto, para acompanhar seu estado.

 

Entenda a diferença entre gripe e resfriado

Sintomas como nariz entupido, espirros, dores de cabeça e no corpo são comumente generalizados e chamados de gripe. E o que são os resfriados? As doenças respiratórias podem ser causadas por diversos tipos de vírus e apresentam características que permitem a diferenciação.

Ler mais

Toxoplasmose na Gravidez: Fique atento!

A toxoplasmose é uma infecção causada pelo parasita Toxoplasma gondii. É uma doença que costuma passar despercebida em pessoas sadias, mas é grave em pacientes imunossuprimidos e nas grávidas. Transmitida aos seres humanos através das fezes de diversos animais contaminados pelo agente transmissor, um tipo de protozoário. Vários bichos domesticados e de produção podem ser transmissores, os mais conhecidos são os gatos, mas a lista inclui suínos, caprinos, aves, animais silvestres, e a maioria dos vertebrados terrestres homeotérmicos (bovinos, suínos, cabras, etc.). Mas, gatos e outros felinos, são os hospedeiros definitivos, estão relacionados com a produção e perpetuação da doença, uma vez que somente neles ocorre a reprodução sexuada dos parasitos.

Ler mais

25/05 – Previna-se: 25 de Maio – Dia Internacional da Tireóide

Você sabia que desânimo, insônia, inquietação e depressão podem não significar alterações originalmente psicológicas? O mau funcionamento da tireóide – Glândula que produz os hormônios T3 (triiodotironina) e T4 (tiroxina), responsáveis pela organização metabólica, atuando em órgãos importantes como cérebro, coração, rins, fígado e pele – também influencia no estado de humor do indivíduo.

A importância do check-up na detecção de doenças em estágio inicial

O check-up médico é um conjunto de ações com que objetivam diagnosticar doenças e detectar problemas de saúde em indivíduos sem sintomas. Além da realização de exames, o check-up engloba orientações e conceitos de prevenção de doenças e promoção da saúde.

Os brasileiros não têm muito costume de realizar check-ups, o que é um equívoco, pois esta prática pode detectar doenças em estágio inicial e salvar vidas.

Ler mais

Dicas para economizar água

A consciência da população é a principal forma para que a economia de água ocorra de forma efetiva. Por isso, é fundamental que o tema seja trabalhado, desde o início, na escola, em casa e na vizinhança.

Para especialistas, um dos caminhos mais conscientes na economia de água, é o chamado reúso, por exemplo,  a água utilizada no enxágue da máquina de lavar, pode ser reutilizada na descarga. Além disso, observar o nosso consumo e reaproveitar a água da chuva também é essencial.

Ler mais

Você é o que você come

Em parceria com o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a Pesquisa Nacional de Saúde realizada pelo Ministério da Saúde entre 2013 e 2014, mostra que a população brasileira está preferindo alimentos mais gordurosos na hora de se alimentar.

De acordo com os dados, cerca de 60% dos alimentos com maior teor de gordura fazem parte da alimentação diária da população. Na pesquisa realizada com 63 mil pessoas em todo o país, 37,2% dos entrevistados disseram que gostam de alimentos gordurosos.

Ler mais

SEMANA DA SAÚDE DA MULHER – PREVINA-SE CONTRA O CÂNCER DE COLO DO ÚTERO

O câncer de colo de útero, também conhecido por câncer cervical, é uma doença de evolução lenta que acomete, sobretudo, mulheres acima dos 25 anos. O principal agente da enfermidade é o papilomavírus humano (HPV), que pode infectar também os homens e estar associado ao surgimento do câncer de pênis. Embora sua incidência esteja diminuindo, o câncer de colo de útero ainda está entre as enfermidades que mais atingem as mulheres e levam a óbito no Brasil. Por isso, é importante a realização de alguns apontamentos acerca da doença, a fim de esclarecê-la melhor para a população e para que os devidos cuidados sejam tomados.

Ler mais

 

Folia, marchinhas, desfiles de escolas de samba; grandes eventos para quem gosta de pular Carnaval. Somado a isso, aglomerado de pessoas, banheiros públicos, compartilhamento de objetos pessoais e possibilidades de relações sexuais, situação propícia para se pegar uma DST. Como consequência, as DSTS podem causar desde distúrbios emocionais, doença inflamatória pélvica (DIP), infertilidade, lesões fetais, até câncer, além de facilitar a transmissão do vírus da AIDS (HIV).

Ler mais

Página 1 de 2