Categoria: Proteção solar

Está curtindo as férias?

Altas temperaturas demandam programação para que as férias sejam agradáveis e sem problemas evitáveis.

O Brasil, por ser um país tropical, tem temperaturas altas no verão. Em algumas regiões, a sensação térmica ultrapassa os 40 graus. Esse clima demanda cuidados para evitar problemas de saúde, principalmente em viagens. A Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade (SBMFC) orienta sobre como a população pode preveni-los e aproveitar a época de descanso com tranquilidade.

“Pesquise antes do início da viagem serviços médicos que poderão ser procurados em emergência. Caso faça uso de medicamentos para enjoo, diarreia, dores musculares, dores de cabeça, ter atenção quanto ao uso descrito na bula. Um kit de primeiros socorros pode ser providenciado com material para curativos, remédios para dor e febre (de preferência que já tenham sido usados previamente), antialérgicos para quem costuma ter alergias, algum medicamento para enjoos, além dos medicamentos de uso habitual de cada pessoa em quantidade suficiente para não faltar durante a viagem (remédios para pressão alta, diabetes, asma, etc.)”, explica Rodrigo Lima, médico de família e diretor de comunicação da
SBMFC.

Para quem não tem problemas de saúde que necessitam de acompanhamento médico periódico e irá fazer uma viagem sem maiores exigências físicas, não há necessidade de fazer qualquer consulta. Se a viagem vai envolver algum esforço maior (caminhadas prolongadas, trilhas, etc.) e esse esforço não faz parte da rotina, vale se preparar adequadamente antes. Lima recomenda que é importante seguir as orientações dadas por seu(sua) médico(a) de confiança e checar sobre interações dos seus medicamentos de uso habitual com outras substâncias. Pode acontecer de haver uma reação entre um medicamento e um alimento, por exemplo.

Manter-se hidratado, enquanto ingere bebida alcoólica, copos de água alternados, e
alimentado também com cuidado pra não exagerar.

Atividade física – Onde praticar?

Em qualquer lugar que seja seguro, sempre que possível, com cuidado para não cometer excessos que podem provocar lesões das articulações e músculos.

“O sedentarismo é um dos principais fatores de risco para as doenças crônicas mais
frequentes, como hipertensão, diabetes, vários tipos de câncer, etc. Para deixar de ser sedentário não é preciso muita coisa: caminhadas diárias no quarteirão de casa, descer do ônibus um ponto antes do habitual para caminhar um pouco mais, subir escadas no prédio em vez de usar o elevador. Se puder iniciar uma atividade mais organizada como musculação, corridas, natação, ginástica, melhor ainda. A época de férias é uma boa oportunidade de início para a prática, sempre sem esquecer da hidratação, mais importante em períodos de calor”, orienta.

Filtro solar

Cada pele tem o protetor específico. Os protetores solares são classificados por seu FPS – Fator de Proteção Solar. Quanto mais clara a pele, maior deverá ser o FPS do protetor solar. Importante lembrar que o protetor deve ser aplicado cerca de meia hora antes da exposição solar, e que após transpirar muito ou se molhar a pessoa deverá reaplicar o produto. Também está indicada a reaplicação a cada duas horas.

Repelente

“Passe o filtro na pele e espere ser absorvido. O repelente pode ser aplicado, no máximo, três vezes ao dia, dependendo da exposição e também suor. Evite o uso excessivo, pois o produto tem substâncias tóxicas, que podem causar danos à saúde e antes de dormir, tomar banho com sabonete para que o produto seja eliminado da pele. Em casos de ferida e machucado, não é indicado utilizar o produto, principalmente se estiver aberta, pois a substância pode agravar o estado e atrasar a cicatrização”, conclui o médico de família.

Fonte: Sociedade Brasileira de Medicina de Família e Comunidade

O Sol não tira férias


Férias é bom para todo mundo – exceto quando elas viram um grande transtorno. Alguns cuidados ajudam a evitar que o bronzeado dos sonhos vire uma insolação, entre outros problemas que podem estragar a temporada. Este ano, tem uma novidade: o repelente vai ser tão importante quanto o protetor solar. A atenção deve ser redobrada para quem viaja para o Sudeste e o Nordeste, as regiões com maior número de casos de doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

O dermatologista Erasmo Tokarski dá algumas orientações sobre o assunto. “O correto é passar primeiro o protetor solar, esperar uns 15 minutos para ele secar, e depois aplicar o repelente.” É essencial utilizar produtos aprovados pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e seguir as instruções do rótulo. “Geralmente, os produtos devem ser aplicados, no máximo, três vezes ao dia. Caso contrário, eles podem provocar algum efeito indesejado, como uma intoxicação leve”, alerta.

Tokarski também explica que não é necessário utilizar repelente em todo o corpo. “Tem gente que exagera e usa até embaixo da roupa, mas só precisa nas áreas expostas. E, principalmente, durante o dia, quando o mosquito está mais ativo.” A única restrição é para menores de seis meses. “Nessa idade, os bebês são muito sensíveis. Depois disso, a criança pode usar repelente, mas sempre com orientação do pediatra, que vai indicar o produto para cada caso. Os repelentes para crianças tem uma concentração menor de químicos.”

Precaução com os olhos

Outra orientação importante é lembrada pelo oftalmologista José Rodrigues, do Instituto de Saúde Ocular do DF (Isovisão). “O repelente não deve ser aplicado próximos aos olhos e partes sensíveis de modo geral, para evitar irritações e outras reações adversas. É por esse mesmo motivo que se evita passar repelente nas mãos das crianças, porque elas podem levá-las à boca, por exemplo.”

O oftalmologista também afirma que é preciso ter uma precaução extra com a conjuntivite. “É uma inflamação que já costuma ser mais frequente no verão, porque o calor e a umidade facilitam a proliferação de vírus e bactérias.

O tratamento exige cuidados especiais com a higiene, como não compartilhar rímel e toalhas, e evitar piscinas, que podem ter água contaminada, além do cloro ser irritante. “E nunca se automedicar. Muitas pessoas não levam os colírios à sério, mas eles são medicamentos como quaisquer outros, contendo muitas substâncias que precisam de orientação médica, como antibióticos. Usar um colírio errado pode até piorar a situação”, orienta Rodrigues.

Quem usa lentes de contato precisa ter cuidado redobrado com a limpeza e não abrir os olhos debaixo d’água. “Mas o ideal é retirar as lentes antes de ir à praia ou ao clube ou usar um óculos de mergulho. E não levar às mãos aos olhos, pois elas podem estar sujas”, recomenda o oftalmologista.

Cuidados clássicos

Os óculos de sol são os fiéis companheiros da temporada. A exposição excessiva à radiação solar provoca lesões oculares e tem um efeito cumulativo, facilitando o desenvolvimento de catarata, pterígio (tecido carnoso que cresce sob a córnea), fotoceratite (lesão na córnea provocada pelo ressecamento lacrimal), entre outros problemas.

Mas não adianta adquirir um modelo pirata. “Se os óculos forem falsificados, eles não vão ter a tecnologia de proteção contra os raios ultravioleta (UV). A lente escura faz com que a pupila se dilate e entrem ainda mais raios nocivos. A pessoa fica com a falsa sensação de que está protegida, mas, na verdade, está aumentando o dano aos olhos”, alerta Rodrigues.

O oftalmologista ressalta que ninguém deve abdicar dos óculos de sol, mesmo quem utiliza lentes de contato com proteção UV. “Elas são apenas um complemento, assim como os chapéus. Os óculos são indispensáveis, inclusive para as crianças. É comum os pais se esquecerem de também comprar modelos infantis.”

Já para a pele, o protetor solar é o aliado número um, ajudando a evitar condições como o envelhecimento precoce e o câncer. No curto prazo, o problema mais comum das férias são as queimaduras, seja devido à insolação ou outras causas, como o contato com águas vivas. “Existem muitas receitas caseiras para aliviar a ardência, mas elas podem acabar piorando a saúde da pele. O melhor é colocar apenas uma compressa de água fria e ir imediatamente ao médico, que vai indicar o tratamento correto”, afirma o dermatologista Erasmo Tokarski.

Ele também lembra de outro risco. “Sob a luz do sol, as frutas cítricas provocam manchas na pele. Mas é só ter cuidado, verificar se respingou e, se for necessário, lavar com água. Afinal, é muito bom curtir a praia com uma caipirinha ou um peixe com limão”, aconselha.

Fonte:  Jornal de Brasília.